Adaptar ou morrer: 3 passos para sobreviver ao darwinismo digital no marketing

13 Abril 2015

Quando a tecnologia, a sociedade e o comportamento de consumo evoluem mais depressa que a capacidade de adaptação das empresas, corre-se o risco de se seguir o caminho da extinção. Na última década assistiu-se à queda de grandes empresas porque não conseguiram acompanhar o atual cenário digital de constante mudança. Hoje, as empresas criadas para durar não são as mais fortes, as de maior reputação ou as mais sólidas. As empresas que vão sobreviver são aquelas que se adaptam rapidamente e compreendem que o digital já não é um canal de marketing à parte. O digital é um novo meio de comunicação. 

O que podem então as empresas fazer hoje para amanhã fugir à extinção?

- É necessário deixar de tratar o marketing digital como um canal à parte. Não é suficiente simplesmente alocar uma percentagem do orçamento à plataforma do momento.
Sobreviver ao darwinismo digital requer mudanças significativas na filosofia e modelos de negócio. Porquê? Porque os clientes movimentam-se em diversas plataformas, em simultâneo: consultam as redes sociais nos smartphones em qualquer lugar, navegam na web enquanto veem televisão, etc. As empresas que se adaptam estão focadas em desenvolver estratégias consistentes, capazes de envolver os clientes.

- Pensar que lançar conteúdos nas redes sociais vai aumentar as vendas de uma marca é um erro. Esta abordagem falha porque as pessoas não estão nas redes sociais para que lhe seja vendida alguma coisa; estão lá pela experiência e para fazer parte da comunidade. O marketing digital não é sobre tecnologia, mas sim sobre pessoas. É preciso escutá-las para saber o que procuram.

- Acompanhar o retorno do investimento (ROI) é importante, mas mudar o foco para o retorno da experiência (ROE) é o que vai distinguir as empresas. O ROE coloca o foco naquilo que realmente importa: os clientes estão a gostar da experiência com determinada marca? Estão a gostar dos conteúdos criados pela marca? A marca está a oferecer uma experiência consistente, independentemente de como encontram a marca?
Quando duas marcas competem pela sobrevivência, vence aquela que dá ao consumidor a experiência que ele procura. 

O artigo “Adapt or Die: 3 Steps to Survive Digital Darwinism in Marketing”, da autoria de Peter Sena, foi publicado no Hubspot blog. Clique aqui para ler o artigo na íntegra: http://blog.hubspot.com/agency/steps-survive-digital-darwinism-marketing